Se você quiser cooperar economicamente com este serviço à Igreja...

Ou Itau ag 8552 cc 06984-4 (...) Bradesco ag 093 cc 0172396-0 (...) cpf 696744368-68

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

A Tentação


Vós orareis assim: Pai nosso, que estais nos céus, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia dai-nos hoje. Perdoai-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores. E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre, amém!

Depois da queda, o universo, por nossa causa, foi imerso num ambiente de sofrimento.

Esse ambiente surgiu como resultado de um novo princípio, por nós estabelecido, que passou a reger todos os movimentos, em maior ou menor grau, ainda que arrefecido por ação de Deus, por sua graça. O apóstolo Paulo chama esse princípio de “a lei do pecado e da morte” (Rm 8.2).

Portanto, esse ambiente é, por definição, contra a vontade de Deus. Vivendo nesse ambiente, e não temos escolha, estamos sempre expostos ao que contraria o Pai, e a tal rebeldia somos sempre convidados.

Esse convite, estimulado pelo maligno, se dá sempre no âmbito pessoal, mas pode provir de nosso interior, ou dos relacionamentos pessoais, ou do sistema.

Esse convite é sempre mais forte do que as nossas resistências pessoais, mas, o podemos resistir, se pedirmos socorro ao Pai.

Isso nos coloca num dilema: se caímos em tentação, fazemos o que nos é próprio, porque a tentação é sempre mais forte do que nós. Porém, por causa da disposição do Pai, se caímos em tentação, caímos porque não pedimos socorro ao Pai, que, se acionado, não nos deixaria cair.

Então, se caímos foi porque não clamamos pela ajuda prometida. E por que alguém, que sabe disso, não pediria ajuda, a não ser pelo desejo de cair? Assim, qualquer queda é responsabilidade nossa.

Meditação: Somos responsáveis pelo enfrentamento de qualquer tentação, em qualquer nível, porque temos, à disposição, o socorro do Pai. Não podemos e não devemos nos fiar em nossas forças, elas são insuficientes, mas não podemos nos esconder em nossas fraquezas, porque o Pai nos é mais do que suficiente.

Oração: Pai nosso, te somos gratos, porque na nossa fraqueza contamos com a tua força. Que bom seria se pudesses contar com a nossa fidelidade, como contamos com o teu socorro. Socorre-nos sempre Pai Eterno, a começar por nossa carência de fidelidade. Pelos méritos de Jesus, o Senhor, clamamos. Amém!